quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

That's right kids



Em compensação, muitos de nós temos pais, amigos ou "conhecidos" para nos comprar coisas só para mostrar que nos amam... ou então não.

De qualquer das maneiras, um Feliz Natal a todos. O Exile exila-se agora durante uns tempos e volta no próximo ano. Boas passagens, que o champanhe seja bonzito, que hajam frutos bem secos para pedir (ainda) mais champanhe e dar sempre a desculpa que precisa de matar a sede, que o mon chéri também esteja presente e isso tudo. E obrigado à meia dúzia de leitores regulares tímidos que me acompanharam ao longo de 2009. Eles saberão quem são. Bem, a maioria deles saberá. :)

Design of a Decade 16: The Final Chapter

Eis o que gostaria de fazer um dia na passagem rolante ligação linha amarela-linha azul do metro de Lisboa (já não há maneira de me não lembrar deste vídeo sempre que passo por lá...):


segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Brittany Murphy (1977 - 2009)

EN-RA-HA

Balanço do ano e da década: parte 4 (filmes dos 00s)



Menções honrosas:

Eternal Sunshine of the Spotless Mind, de Michel Gondry (2004)
Kill Bill - Volume 1+2, de Quentin Tarantino (2003-04)

Big Fish, de Tim Burton (2003) 
Le Temps Qui Reste, de François Ozon (2006) 
The Fountain, de Darren Aronofsky (2006) 
Requiem for a Dream, de Darren Aronofsky (2000) 
La Pianiste, de Michael Haneke (2001) 
Atonement, de Joe Wright (2007) 
Le Fabuleux Destin d'Amelie Poulain  , de Jean-Pierre Jeunet (2001)
A History of Violence, de David Cronenberg (2005)
The Others, de Alejandro Aménabar (2001)
Minority Report, de Steven Spielberg (2002)
Entre Les Murs, de Laurent Cantet (2008)
Happy-Go-Lucky, de Mike Leigh (2008)
(500) Days of Summer, de Marc Webb (2009)
Wo hu cang long (O Tigre e o Dragão), de Ang Lee (2000)
Se, jie (Sedução, Conspiração), de Ang Lee (2007)
Mysterious Skin, de Gregg Araki (2005)
Unbreakable, de M. Night Shyamalan (2000)
Up, de Pete Docter (2009)
Far From Heaven, de Todd Haynes (2002)
The Assassination of Jesse James by the Coward Robert Ford, de Andrew Dominik (2007)
Volver, de Pedro Almodóvar (2006)

10. The New World, de Terrence Malick (2005)  e Mulholland Drive, de David Lynch (2001) 
9. Hable con Ella, de Pedro Almodóvar (2002)
8. The Hours, de Stephen Daldry (2002)
7. The Village, de M. Night Shyamalan (2004)
6. Bright Star, de Jane Campion (2009)
5. Brokeback Mountain, de Ang Lee (2005)
4. Birth, de Jonathan Glazer (2004)
3. Before Sunset, de Richard Linklater (2004)
2. Rachel Getting Married, de Jonathan Demme (2008)
1. A.I. Artificial Intelligence, de Steven Spielberg (2001)

Balanço do ano e década: Parte 3 (álbuns dos 00s)


Menções honrosas: 

American Life - Madonna (2003)
Fur and Gold - Bat For Lashes (2007)
Kid A - Radiohead (2000)

Heathen - David Bowie (2002)
Exciter - Depeche Mode (2001)
100th Window - Massive Attack (2003)
Third - Portishead (2008)
Vespertine - Björk (2001)
Before the Dawn Heals Us - M83 (2005)
The Greatest - Cat Power (2006)
Saturdays = Youth - M83 (2008)
Kala - MIA (2007)
XTRMNTR - Primal Scream (2000)
Talkie Walkie - Air (2004)
Up - Peter Gabriel (2002)

10. The Bachelor - Patrick Wolf (2009)
9. Fox Confessor Brings the Flood - Neko Case (2006)
8. Seventh Tree - Goldfrapp (2008)
7. White Chalk - PJ Harvey (2007)
6. 10000 Hz Legend - Air (2000)
5. You Are Free - Cat Power (2003)
4. Two Suns - Bat For Lashes (2009)
3. Felt Mountain - Goldfrapp (2000)
2. Aerial - Kate Bush (2005)
1. Silent Shout - The Knife (2006)


sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Design of a Decade 15

Oiçam, não sou o maior fã de David Gray (apesar de também não ter nada contra o senhor também - nunca cheguei a ouvir um dos seus álbuns sequer!). Mas este vídeo foi definitivamente um dos melhores que vi nos meus 24 anos, e torna a canção aproximadamente mil vezes mais pungente:


 

Balanço do ano e década: parte 2 (músicas e álbuns de 2009)


Músicas:
1. "Daniel", Bat For Lashes
2. "Vulture", Patrick Wolf
3. "Zero", Yeah Yeah Yeahs
4. "When I Grow Up", Fever Ray
5. "You Don't Have a Clue", Röyksopp
6. "Chase the Tear", Portishead
7. "Parallel Lines", Junior Boys
8. "Missing the Light of Day", Air
9. "Crystalized", The xx
10. "Powerless", The Flaming Lips
10. "Actor out of Work", St. Vincent

Álbuns:

1. Two Suns - Bat For Lashes
2. The Bachelor - Patrick Wolf
3. Actor - St. Vincent
4. Fever Ray - Fever Ray
5. xx - The xx

6.
Begone Dull Care - Junior Boys
7. Embryonic - The Flaming Lips
8. Love 2 - Air
9. Love is not Pop - El Perro Del Mar
10. Merriweather Post Pavillion - Animal Collective
Through the Devil Softly - Hope Sandoval and the Warm Inventions

Menções honrosonas: Pet Shop Boys, Grizzly Bear, Florence + the Machine, La Roux, Soap&Skin... a lista continua, e não estou para postar um top 50 lol.

Balanço do ano e década: parte 1 (filmes de 2009)


(filmes estreados no cinema ou directos para DVD em Portugal este ano)
1. "Rachel Getting Married", de Jonathan Demme
2. "Up", de Pete Docter
3. "Happy-Go-Lucky", de Mike Leigh
4. "Milk", de Gus Van Sant
5. "Los Abrazos Rotos", de Pedro Almodóvar  
6. "Inglorious Basterds", de Quentin Tarantino
7. "Brüno", de Larry Charles
8. "Moon", de Duncan Jones
9.  "Revolutionary Road", de Sam Mendes
10. "The Curious Case of Benjamin Button", de David Fincher &
Synecdoche, New York de Charlie Kaufman 

Menções honrosonas: "Wendy and Lucy" de Kelly Reichardt, "Vicky Cristina Barcelona" de Woody Allen, "Julia" de Erick Zonca, "The Hurt Locker", de Kathryn Bigelow, "State of Play" de Kevin MacDonald, "Duplicity" de Tony Gilroy. 

Filmes mais sobrestimados do ano: "Slumdog Millionaire" e "Gran Torino", de dois realizadores que já fizeram muito, mas muito melhor: Danny Boyle e Clint Eastwood. 

Filme mais subestimado do ano: "The Life Before Her Eyes", de Vadim Perelman. Pode até não ser "perfeito", mas não merecia a enxurrada de porrada que levou. 

Ainda para ver: "Avatar", dos que desconfie que tenham potencial para chegar ao top 10. E "Star Trek", por falar em sci-fi (nunca fui fã da série, mas as críticas são demasiado boas...) E "The Reader"! 

 

 

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Design of a decade 14

Mais uma grande revelação da década, mais um grande vídeo. Eis os M83 de Anthony Gonzalez e "Don't Save Us From the Flames", retirado do álbum "Before the Dawn Heals Us" (tenho até a sensação que o video já foi aqui postado numa outra ocasião) :

 

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Paradise Circus (NSFW)

agora oficialmente o video para o novo tema dos Massive com a voz sempre bela e desarmante de Hope Sandoval, e o melhor que se pode dizer é que não fica nada atrás dos restantes videos da banda:


domingo, 13 de dezembro de 2009

Podcast #1 - "Suffocated Love"

Download it.

1. This Mortal Coil - Song to the Siren
2. Kate Bush  - The Sensual World
3. Madonna - To Have and Not To Hold
4. Björk - Come To Me
5. Air - Photograph
6. Depeche Mode - To Have and To Hold
7. Prince - Forever in My Life
8. Tori Amos - Suede
9. PJ Harvey - Beautiful Feeling
10. Tricky  - Suffocated Love
11. Massive Attack - Group Four

24

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Não sei se crie uma lista de resoluções para 2010...

mas aprender a tocar piano será certamente uma delas. 

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Design of a Decade 12

Outra banda surgida nesta década foi o duo electro-pop sueco The Knife. Eis o magnífico "Pass This On": 

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Saudades

do teu cheiro, até do cheiro a tabaco
dos teus mimos
do teu sorriso
do feijão vermelho
da cama com pêlos de gato
do fato de homem-aranha (eheh)
...

Novo Massive a 9 de Fevereiro



!!!!!!!!

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Design of a Decade 11

Acho que nunca amei tanto os Massive Attack como agora, depois de os ter ouvido ao vivo ontem pela primeira vez. Timing perfeito para lançar o meu video favorito deles da década, portanto.

"Special Cases", "False Flags" e "Butterfly Caught" seriam escolhas igualmente válidas para tal título, mas o vídeo com o qual me identifico mais (não, não sou um alcoólico terminal...) é precisamente este "Live With Me", feito especificamente para o álbum "best of" Collected:

domingo, 22 de novembro de 2009

()

Sinto que posso matar alguém com esta raiva, quiça eu próprio. Todos estão encantados com um sonho, uma fantasia, todos agem como se fossem pessoas ideiais. E de facto, a vida nova de um ser humano é motivo suficiente para trazer alegria. Mas estas pessoas agem sempre segundo as aparências, quando no fundo já revelaram ser bem mais podres (e não só no passado).   

Sinto-me mal por não estar contente pelo meu sobrinho. Gostava também eu de estar contagiado pela alegria. Mas sinto-me excluído, silenciosamente marginalizado, e portanto, esta felicidade bem diferenciada e dirigida irrita-me. Serei uma pessoa má por sentir-me posto de parte? Agora sinto-me mal. O que se passa comigo, porra? 

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Design of a Decade 10

E chegámos àquela que pode ser a grande revelação da década para este ouvinte: Natasha Khan, também conhecida por Bat For Lashes, ex-professora de infantário que em 2007 surpreende tudo e todos com um primeiro álbum capaz de ombrear com outros dos seus ídolos mais próximos. "Fur and Gold" introduz-nos a uma música algo mística com fortes influências da década 80 (referências a artistas como Kate Bush ou Siouxsie são desde logo óbvias), e a sua voz e cara entrou na minha mente precisamente com um visionamento ao acaso de um MTV New. Senhoras e senhores, eis "What's a Girl To Do?": 


What's a Girl To Do - Bat For Lashes

Bat For Lashes | Vídeo do MySpace

Sim ou não ao referendo sobre o direito civil de uma minoria

O debate da passada segunda-feira, assistido ao vivo, pareceu um pouco uma sequela daquelas só feitas em Hollywood sobre o debate do casamento que decorreu no início do ano: muitos dos mesmos protagonistas, muito do mesmo enredo, e muitas das mesmas bacoradas do lado que se opõe ao casamento civil, com novas ideias más pelo meio. (incluindo uma referência impensável ao referendo pela indepêndencia do povo de Timor-Leste!) E claro, a grande defesa do lado do "Sim" ao referendo é a questão de que o casamento traz sempre a adopção. Pois... 

A toda a bancada do SIM mostro este video, lembrado por uma grande amiga minha:

E ainda o magnífico artigo publicado hoje no Público ainda no rescaldo do debate: http://jornal.publico.clix.pt/noticia/18-11-2009/uma-sugestaozinha-18238899.htm

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Bright Star



Há filmes que conseguem desafiar o tempo - quer pela excelente reconstituição de época que nos faz mergulhar numa era, quer pela maior dificuldade em datar o filme em si daqui a... 50 anos, quer ainda pelo facto de tratarem de amores que hoje se pensa que sejam diferentes devido aos avanços técnológicos (serão mesmo?). Bright Star é certamente um destes filmes. 

Crítica

 

sábado, 14 de novembro de 2009

Acho que não poderia amar mais Abbie Cornish depois do Bright Star e disto

 

Pequena maravilha de filme. E ainda por cima com duas das minhas novas obsessões. Estava destinado a amar isto, pois claro. 

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

O meu Festival de sonho

bem, tendo em conta que se trata de um jogo entre conseguir melhor pontuação possível com inclusão de artistas que adore... parece-me estupidamente viciante :x

http://fantasyfestival.last.fm

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Design of a decade 9 - Edição Dupla

Como homenagem à própria multiplicidade fascinante dos vídeos abaixo (e para redimir o facto de me ter esquecido do vídeo dos R.E.M. na altura.. *cora*)

Adoro videos que vão revelando sempre alguma coisa nova com múltiplos visionamentos, e estes serão certamente dois dos maiores exemplos de longevidade da década: 


Kylie Minogue - 'Come into my world' music video

Kylie Minogue | Vídeo do MySpace

terça-feira, 3 de novembro de 2009

O cromo do metro que faltava

Depois do famoso cego que fala mal das pessoas se não lhe ligam nenhuma, do homem que andava à roda na barra vertical onde as pessoas se costumam apoiar quando viajam de pé (uma versão mais feira popular de "pole dancing") e da senhora do apocalipse, eis que surge mais um potencial candidato a cromo do Metro de Lisboa. No entanto, tem que ser avaliado posteriormente segundo a sua regularidade neste meio de transporte urbano. Mas para primeira vez, parece convencer. Senhoras e senhores, eis que temos finalmente um homem que não só anuncia as estações de metro e respectivas ligações, como, eis a novidade (!), o destino das saídas e as ligações aos autocarros da carris e tudo! 

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Design of a Decade 8

Eis uma artista que nunca poderia faltar neste tipo de compilações, com aquele que é o meu vídeo favorito dela: 

domingo, 1 de novembro de 2009

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Design of a Decade 7

Poderiam existir videos mais consensuais, até mesmo dentro da própria videografia dos Goldfrapp, no entanto este ganha pontos extra por na sua falsa simplicidade ser tão deliciosamente depravado. 


Ride A White Horse - Goldfrapp

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Act of Contrition

[Whispered:]

For thou art the Kingdom and the Power and the Glory
Forever and ever. Amen.
Hail Mary, full of grace, the Lord is with thee,
Blessed art thou amongst women, and blessed is the fruit of thy...
[Spoken:]
Oh my God, I am heartily sorry for having offended Thee
And I detest all my sins because of Thy just punishment
But most of all, because I have offended Thee, oh my God
Who art all good and deserving of all my love.
I firmly resolve with the help of Thy grace
To confess my sins, to do penance, to amend my life,
And to avoid the temptations of evil.
Oh my God, I am heartily sorry for having offended Thee
And I detest all my sins because of Thy just punishment
But most of all, because my God, I have offended Thee
Who art all good
Like I knew you would
And deserving of all my love
I reserve, I reserve, I reserve
I reserve, I resolve
I have a reservation
I have a reservation!
What you do you mean it's not in the computer


Madonna, Like a Prayer (1989)

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Design of a Decade 6

Por falar em amor... 


sábado, 17 de outubro de 2009

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Design of a Decade 5

Este tem sido também o mês de Madonna. A rainha da pop lançou uma derradeira colecção de singles e videos para a Warner, mas houve uns quantos vídeos que conseguiram ficar de fora. E apenas um desta década, ironicamente o seu mais falado. E por isso, e apesar de ser muito mais fácil ter escolhido um igualmente magnífico "What It Feels Like For a Girl" de Guy Ritchie, decidi dar tempo de antena merecido a "American Life" de Jonas Åkerlund, single que abre aquele que pode bem ser também o álbum mais subestimado dos últimos dez anos (e da carreira da artista).

Eis o video que a própria Madonna teve que o retirar do ar, e que viria a marcar, para o melhor e para o pior (com a recusa de muitas rádios norte-americanas em passarem os seus singles recentes), a sua década :


Madonna - American life (Director's cut)

VIDA|MySpace Videos

sábado, 10 de outubro de 2009

Sim, é Almodovar. Poderia alguma vez ser outra coisa?


Cores vivas, diálogos sumarentos, segredos enterrados, paixão, crime, sexo nas suas várias vertentes, gays e outros personagens "aparte", referências cinéfilas à catadupa, filmes dentro de filmes... Deve ser o novo filme de Pedro Almodóvar. 

A verdade é que o realizador espanhol deixou uma marca tão grande no cinema contemporâneo que já não se imagina o cinema sem ele, assim como já não se imagina um filme de Almodóvar sem os seus muitos atributos impregnados. 

Daí que o único grande criticismo que se possa fazer a este "Los Abrazos Rotos" é o mesmo que se poderia fazer a "Volver", por exemplo - o não se desviar por aí além da marca "Almodóvar". Por outro lado, para quê mudar algo que continua a funcionar melhor do que nunca? Como já dizia o outro "Em equipa que ganha...". Esta questão de repetição vs. inovação sempre foi transversal a qualquer arte. Mas esta é uma daquelas instâncias em que vale mesmo a pena concordar com os ditados populares. 

Sejamos sinceros então: "Los Abrazos Rotos" é Almodóvar puro e "vintage". Volta a conter um enredo algo labiríntico que se vai revelando aos poucos e deixando o espectador de boca aberta com revelações que poderiam facilmente cair em enredos de novelas mexicanas, mas que nas mãos do realizador, atingem um "gravitas" irrepreensível. E isto tudo mais uma vez a tirar o melhor dos seus actores, nomeadamente a recém-oscarizada Penélope Cruz, aqui transformada em ícone dos ícones. 

A analogia a Quentin Tarantino e o seu último filme não será assim tão descabida como poderia parecer. Ambos os realizadores de uma cultura cinéfila estrondosa e de uma marca própria vincada logo desde início, incrivelmente consistentes, sem ainda desiludir, e dispostos a mostrar cada vez mais do que sabem, mesmo não fugindo da sua nuvem de pensamento. Ambos são recentemente acusados de repetição e de se cingirem a uma fórmula aperfeiçoada com o tempo, mas a verdade é que tanto "Inglorious Basterds" como "Los Abrazos Rotos", nas suas repetições de estilo, conseguem ser melhores (e chocar com muito mais facilidade) que mais de 90% dos filmes estreados este ano.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Momento "WTF?" do mês


"500 Days of Summer" vai directo para vídeo cá? Um filme da Fox Searchlight, que pode até vir a fazer algum "frisson" na próxima edição dos Oscars (nomeadamente na categoria de Melhor Argumento Original), um filme que foi aplaudido consensualmente pela crítica, da multipremiada Fox Searchlight Pictures, que vai fazer mais de 30 milhões de dólares nos EUA e... a distribuidora nacional decide não passar isto nas salas?

*música de Twilight Zone*
ETA - afinal, parece que voltaram atrás e sempre vão lançar isto. A data de lançamento deverá ser para a semana de 15 de Outubro. *respira de alívio* cá esperamos... 

domingo, 4 de outubro de 2009

Design of a Decade - 4

A um dia ou dois de ser lançado o seu último "Love 2", fica aqui o meu tributo a uma banda que por vezes é menosprezada (como é que um 10000Hz Legend não está incluído nas listas de álbuns da década da década que já se fazem?), mas que sempre cumpriu as minhas expectativas, nos seus 6 trabalhos - 7 se contarmos com "Premiers Symptômes". E sim, aqui incluo o subestimadíssimo Pocket Symphony, um álbum "transe", situado algures entre o sono e o despertar.

Mas não é deste último que trago a minha escolha videográfica, mas sim de 10000 Hz: trata-se do fabuloso "Radio #1" que, como o resto do álbum, conjuga o início da electrónica dos anos 70s com a entrada confiante (embora inicialmente aparente ser algo desordenada, talvez daí as críticas negativas sobre o álbum) numa nova era.  

sábado, 3 de outubro de 2009

Será que acordámos todos no século XXI?

Os portugueses podem ter acordado no século XXI nos últimos dias, mas a minha mãe aparentemente não...

Desta vez, nem se trata da questão de "aceitar" ou deixar de aceitar a minha homossexualidade. Já estou para além disso. Se não gosta, problema dela. Tratou-se apenas de um pedido de maior financiamento, uma vez que estando a tirar o mestrado agora, e com menos tempo livre do que tinha anteriormente, e mais horários descoordenados durante a semana, precisava de um sustento básico, algo que o part-time de um ano me deu. Dinheiro sim.

Inicialmente veio com a conversa fácil (basicamente, se quero trabalhar força), mas passados uns minutos, nos quais conversou com o meu pai, surgiu-me com uma oferta. E eis que a oferta, senhoras e senhores, tratava-se de no final de cada mês me dar "dez contos" (deve soar mais sonante antes de converter para euros). Dez contos!   

Nem lhe respondi. Ela pelos vistos presumiu que era muito. Oh dear... 

Numa nota completamente desconectada dos parágrafos anteriores, devo dizer que os jogos de facebook são a coisa mais viciante que encontrei nos últimos tempos. Mini-golfe, bowling, dactilografia, formação de palavras, avaliação da capacidade cerebral - há para todos os gostos. Tou aqui tou a ficar auto-proibido de os jogar, para bem da minha própria sanidade!

 

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Estou proibido de ir à fnac no próximo mês

E a FNAC tem de parar com campanhas de "leve 4, pague 3" a alguns clássicos. Pelo menos Blue, Disintegration, Tusk e From the Choirgirl Hotel estão aqui por menos de 30 euros. Eram três idas mal gastas à discoteca, tenho que pensar assim... 

terça-feira, 29 de setembro de 2009

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Design of a Decade - 2



Uma assombrosa festa marcada por uma obsessão perigosa, cantada por El Perro Del Mar. 

The Hurt Locker



Indo directo ao assunto, "The Hurt Locker" é um excelente filme de guerra, certamente um dos melhores produzidos sobre a guerra do Iraque. 

E, acabando de uma vez por todas com qualquer preconceito que possa haver contra mulheres atrás das câmaras em filmes duros e sujos, a realizadora Kathryn Bigelow será a grande responsável por tal feito, escolhendo mostrar um lado ambivalente sobre uma guerra infernal, que gera tanto medo como vícios.

Para o soldado William James (um inesquecível Jeremy Renner), líder de uma equipa cuja missão é acima de tudo desmantelar bombas, sentimos que o seu dever tornou-se um vício em adrenalina.

O argumento do jornalista Mark Boal, que também já tinha sido autor da história para o filme "In the Valley of Ellah", e parece portanto perito no assunto, não tem um fio narrativo concreto (o que sabemos é que estamos no meio da guerra no Iraque e que faltam "x" dias para a equipa terminar a sua missão), sendo uma aglomeração de momentos, dias, situações perigosas que testam continuamente a força física e psicológica dos soldados. 

Para alguns, isso será um problema, mas Bigelow e companhia mantêm a acção e acima de tudo a tensão bem altas, de fazer a inveja a muito cineasta, e mesmo quando sentimos alguma vontade de olhar para o relógio, preocupamo-nos o suficiente com aquelas personagens e com os respectivos destinos. Melhor, são nesses momentos "sem acção" que a cineasta consegue trazer alguma humanidade e outras questões paralelas à mesa, mas ao mesmo tempo sem grandes sermões inseridos à martelada, como vem sendo hábito. Refrescante, sem dúvida. 

Se há alguns aspectos negativos a destacar, é alguma distracção e distanciamento que um "cameo" como o de Ralph Fiennes possa trazer (já Guy Pierce estará mais irreconhecível), pelo simples facto de ser mais conhecido e de pensar que se encontra algo desenquadrado no meio de algo que parece real e anónimo, e um ritmo mais lento que o habitual, mas que acaba por ser merecido. Acima de tudo, por muito esgotado que o espectador possa estar no final do visionamento, há a sensação de que este filme era de facto necessário, mesmo com a overdose nos últimos anos de cinema de guerra. 

Este não será o filme em cartaz mais fácil de se assistir. Mas não deixa de ser dos mais obrigatórios - até porque se suspeita que ainda dará muito mais que falar daqui a uns meses...

domingo, 20 de setembro de 2009

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Solução: emigrar

Sem querer generalizar, começo no entanto a ficar farto da antipatia e pior, ar de superioridade de certa população tuga - eu quero, posso e mando.

Hoje foi logo um polícia quando ia a pedir indicações (digo "boa tarde" e tenho que repetir o cumprimento uma vez que o homem deve ser surdo e depois pensa que lhe estou a faltar ao respeito) e um motorista da carris que não deixava abrir as portas com o trânsito (!). Isto durante uns penosos 10 a 15 minutos para um percurso de uma ou duas paragens. Estamos bonitos, estamos. 

A adicionar à discoteca

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Patrick Swayze (1952-2009)


Este não tá a ser um bom ano para ícones (e seguidores) da década de 80, definitivamente... 

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

"I love you. I really do"

Design of a decade - 1

Inicia-se aqui uma rubrica semanal com os melhores videos vistos nos últimos 10 anos. E começamos já com este "Remind Me", dos noruegueses Röyksopp:

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Em contagem decrescente para exame decisivo

T minus 26 hours. 

Eu bem quero aliviar a pressão, mas não consigo. Obviamente, vou tentar dormir o mais cedo possível hoje. Fazer só umas breves revisões à coisa. 

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Mercury Prize 2009 - será desta, Natasha?



Dentro de cerca de 4 horas, espera-se que se faça justiça de uma vez por todas, e que Natasha saia finalmente com o prémio pelo seu magnífico "Two Suns".  

Marina and the Diamonds



mais uma voz feminina britânica a dar cartas. E tendo em conta o meu nick, theme song instantânea eheh. 

Obrigado Violeta :)

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

"I like my fucking twat"

Still love her. (crazy Tori>crazy Brit)

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Los chicos de Almodóvar


Após ver o "Em Carne Viva", o meu voto vai em definitivo para Liberto Rabal. Pecado de homem. 

Ah, e o filme em si tem logo ar de ser uma das obras-primas esquecidas do mestre espanhol, embora precise de uns revisionamentos futuros, por variados motivos, aahmmm. 

 

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Celebrar Madonna

Em dia de semi-desilusão com video de Madonna, vale a pena recordar o quão brilhante é o seu output pré-Celebration, tanto no som como imagem. Nomeadamente, Music, álbum que teve a infeliz sina de vir a seguir ao seminal Ray of Light, é um belíssimo álbum de experimentação sonora entre o country, o trip-hop e o electro. Tomemos como exemplo uma das músicas mais criticadas do álbum, e comparemo-la ao último single...

domingo, 23 de agosto de 2009

Sinédoque Nova Iorque


Ok, que droga é que meteram na água que bebi antes de sair de casa?

Agora a sério, será este o filme mais brilhante de toda a história ou a maior mixórdia que um estúdio norte-americano alguma vez lançou? Bem, e que tal um pouco de ambos? 

E sim, não constitui a melhor opção para "filme de domingo à tarde", sobretudo se for com a família. Mas também, nós não estamos mesmo interessados nesses, are we? 

The xx


Obrigado André :)

terça-feira, 18 de agosto de 2009

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Descoberta da temporada

Soft Cell, com o magnífico "Non-Stop Erotic Cabaret". Poderia falar do incrivelmente contagiante "Sex Dwarf" (que me fez mudar o meu nick e tudo) e do seu video obscuro rapidamente banido (vejam-no se não forem muito susceptíveis), mas este "Say Hello, Wave Goodbye" é simplesmente perfeito para a fase que tou a avançar neste preciso momento... 

Standing in the door of the Pink Flamingo
Crying in the rain
It was a kind of so so love
And I'm going to make sure it never
Happens again
You and I
It had to be
The standing joke of the year
You were a sleep around
A lost and found
And not for me I fear

I tried to make it work
You in a cocktail skirt
And me in a suit
(Well it just wasn't me)
You're used to wearing less
And now your life's a mess
So insecure you see
I put up with all the scenes
And this is one scene
That's going to be played my way

Take your hands off me
I don't belong to you, you see
Take a look at my face
For the last time
I never knew you
You never knew me
Say hello goodbye
Say hello wave goodbye

Under the deep red light
I can see the makeup sliding down
Hey little girl you will always make up
So take off that unbecoming frown
What about me- well
I'll find someone
That's not going cheap in the sales
A nice little housewife
Who'll give me a steady life
And won't keep going off the rails

Take your hands off me
I don't belong to you, you see
Take a look at my face
For the last time
I never knew you
You never knew me
Say hello goodbye
Say hello wave goodbye

We've been involved
For quite a while now
And to keep you secret has been hell
We're strangers meeting for the first time, okay?
Just smile and say hello
Say hello then wave goodbye

Say hello then wave goodbye (x3)
Say hello wave goodbye
Say hello then wave goodbye
Say hello say goodbye
Goodbye
Say goodbye
Say goodbye

Goodbye...


 

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Tori no seu melhor

não me canso de ouvir isto... 

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Porque é que os sonhos têm que acabar?


Voltei a estar num concerto de Kate Bush... na minha cabeça. E no final a gaja ia-me escrevendo um texto catita como autógrafo numa daquelas letras clássicas adoráveis que eu imagino que ela tenha (influências de ter visto a lyric da Oh England My Lionheart à mão ontem? :S), quando subitamente a faculdade vem à tona na minha conversa com ela, após dizer-lhe emocionado que era ainda a minha cantora favorita, a que mais me influenciava o meu potencial criativo e isso tudo. Acordo, sem ler a mensagem. GRRRR

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Droide analisa capas de obras prometedoras - parte I


E depois admiram-se de nos chamarem pedófilos.... pá... 

Não sei o que é mais "creepy" aqui - se o título em português "Cachorro", se a tagline, se o grupo de homens assim alinhado atrás do puto. Maiores de 18 anos. pois...

sábado, 8 de agosto de 2009

John Hughes (1950-2009)


Mais um ídolo dos 80s a deixar-nos... :(

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

quinta-feira, 23 de julho de 2009

The Life Before Her Eyes

Criminalmente subestimado, como se costuma dizer.

Crítica aqui

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Bright Star - o trailer



a minha orientação sexual sente-se um bocado perturbada perante a presença luminosa de Abbie Cornish.... 

quinta-feira, 16 de julho de 2009

A citação

"Are there any niggers here tonight? Could you turn on the house lights, please, and could the waiters and waitresses just stop serving, just for a second? And turn off this spot. Now what did he say? "Are there any niggers here tonight?" I know there's one nigger, because I see him back there working. Let's see, there's two niggers. And between those two niggers sits a kike. And there's another kike— that's two kikes and three niggers. And there's a spic. Right? Hmm? There's another spic. Ooh, there's a wop; there's a polack; and, oh, a couple of greaseballs. And there's three lace-curtain Irish micks. And there's one, hip, thick, hunky, funky, boogie. Boogie boogie. Mm-hmm. I got three kikes here, do I hear five kikes? I got five kikes, do I hear six spics, I got six spics, do I hear seven niggers? I got seven niggers. Sold American. I pass with seven niggers, six spics, five micks, four kikes, three guineas, and one wop. Well, I was just trying to make a point, and that is that it's the suppression of the word that gives it the power, the violence, the viciousness. Dig: if President Kennedy would just go on television, and say, "I would like to introduce you to all the niggers in my cabinet," and if he'd just say "nigger nigger nigger nigger nigger" to every nigger he saw, "boogie boogie boogie boogie boogie," "nigger nigger nigger nigger nigger" 'til nigger didn't mean anything anymore, then you could never make some six-year-old black kid cry because somebody called him a nigger at school."
Lenny Bruce

Ainda a polémica em torno de Brüno...


Ser ou não ser anti-gay, esta parece ser a questão central da polémica em torno do hilariante filme de Larry Charles, que se houvesse justiça, estaria a ter tanto ou mais sucesso que "Borat".  

Vejamos, Brüno, o austríaco fashionista gay, é uma personagem que muitos dizem ser mais difícil de se simpatizar que o estrangeiro curioso do Cazaquistão. Porquê? Bem... não será mais anti-semita que Borat (lembre-se que Sacha Baron Cohen, o actor, é judeu), e as suas práticas são exactamente o extremo do que associamos a um gay. Digo nós enquanto sociedade e enquanto seres humanos educados num regime normativo. Alguém se esqueceu das maluqueiras que Borat fazia, por ser o arquétipo do pior que possamos associar a um estrangeiro? (hábitos estranhos como trocar pêlos púbicos, sexo com animais, "promover" a irmã prostituta... preciso de continuar?) 

Porquê tanto medo do estereótipo extremo gay, e não tanto do estereótipo estrangeiro?  Esta matéria dava toda para uma tese de doutoramento. Afinal, a piada, tal como em Borat, acaba por não estar tanto na personagem como está nas reacções - essas sim tão hilariantes como preocupantes.

Este é um filme extremamente desconfortável, como tinha que ser. Ponto. E a homofobia não vem só dos heteros, e dos armariados. Vem de todos. E por mostrar isso sem ter a necessidade de estar a apontar o dedo e a dar-nos um sermão, o heterossexual Sacha Baron Cohen conquista toda a minha admiração e respeito. (soa esquisito dizer "heterossexual" hein? Fascinante.)  

 

"Brüno is Gay. And That’s Okay"

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Work in progress


Há algo incansavelmente fascinante no meio desta corrente de ritmos que tentam quase recusar uma identidade, uma etiqueta.

"Control" será o álbum mais coeso e "perfeito" nesse aspecto, e "Rhythm Nation 1814" o que lhe deu merecidamente o estatuto de artista séria na indústria, mas será "The Velvet Rope" aquele em que Janet Jackson se mostra mais solta, despida e disposta a correr o risco de falhar um beat - e por isso, na sua melhor forma. 

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Tributo a cromos que nos fazem adorar a vida - 3ª Parte: Néstio Mosquito

Néstio Mosquito, nascido em Angola, signo Caranguejo. Diz que é músico, mas as suas divagações tornam-no desde já num gajo extremamente interessante - e perfeito para aparecer aqui nesta secção.  

Frase: "O pessoal tá a gostar aí de abraçar a negritude, de apanhar umas pilas mais escurinhas, com sabor a coca-cola..."

Faço aqui um best of do que já vi: 

Se algum dia (*fazer gesto à Sandra da 2ª Parte*)"virares ao contrário, que eu gosto de homens" e abraçares o homossexualismo, pá...  

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Summer playlist

Kraftwerk - Europe Endless
Pet Shop Boys - Being Boring
Depeche Mode - Dreaming of Me
Little Boots - New in Town
Madonna - Thief of Hearts
Liz Phair - Supernova
St. Vincent – Actor Out Of Work
Fleetwood Mac - Tusk
Peaches - I Feel Cream
Patrick Wolf - Hard Times
Michael Jackson - Beat It
Bat For Lashes - Pearl's Dream



Tributo a cromos que nos fazem adorar a vida - 2ª Parte: Gisela e Sandra

Haverá maior "bitch fight" na história da tv (pelo menos nacional) que esta? Seriously. 

Nem dá para escolher frases aqui, tantas que são memoráveis. Adoro soltar umas deixas de vez em quando no dia-a-dia, mesmo que as restantes pessoas fiquem sem perceber a piada.  

Apesar do melhor estar na segunda metade, quando o carro se torna o palco do lançamento de frustrações humanas e de coreografias intimidatórias (repare-se no gesto mítico de Sandra ao dizer "tu não vires ao contrário... que eu gosto de homens"), a primeira parte é très subestimada. 

(já disse que tenho que rever isto pelo menos uma vez por mês - e que cada vez é melhor que a anterior? LOL)

terça-feira, 23 de junho de 2009

Mais duas descobertas dos 70s, mais dois favoritos imediatos



Em primeiro lugar, Tusk, supostamente o álbum mais obscuro e experimentalista dos Fleetwood Mac. Acredito, assim como acredito que com o tempo derrube o lugar do mais "bem arranjadinho" e mais virtualmente perfeito Rumous como álbum favorito deles.  

 Influente em bandas recentes, sem dúvida (Animal Collective, por exemplo). E uma chapada de luva branca a quem pensa que Fleetwood Mac é apenas soft-rock/rock FM. 

Depois, Kraftwerk com o icónico Trans-Europe Express. Porque é que demorei este tempo todo para ouvir este álbum, não sei. Mas felizmente fi-lo hoje, aos 23 anos e meio de idade (e mais de 30 sobre o seu lançamento). 

Mais uma vez, não consigo imaginar o que seria a música moderna sem isto. 


domingo, 21 de junho de 2009

Tributo a cromos que nos fazem adorar a vida - 1ª Parte: Maria Amélia

com as suas torres do Técnico que a perseguem por tudo o que é sítio (incluíndo meios subterrâneos e festas apinhadas em discotecas, pressupõe-se). Elas andem aí!

Ah, e sim, nas horas vagas, também controla o sol, a lua e as estrelas!

Frase: "Se eu vou a correr, ela corre, e as estrelas e o sol"

Sra. D. Maria Amélia, não se importava de mandar as torres do Técnico para outro sitio? Tipo, para a Terra do Nunca ou para Atlântida. E já agora, com elas a RNL, o Pavilhão Central, ... 

Pergunto-me...

se o cinema porno não será a única forma de arte que não se importe de todo com o facto de não precisarmos de ver a sua obra até ao fim (ou desde o início for that matter) para captar a essência

terça-feira, 16 de junho de 2009

domingo, 14 de junho de 2009

"“Rather than love, than money, than faith, than fame, than fairness - give me truth.”


Christopher Johnson McCandless (1968–1992)

(citação original de Henry David Thoreau)

sexta-feira, 12 de junho de 2009

domingo, 7 de junho de 2009

Descoberta videográfica do ano?

omg?

http://www.imeem.com/ohmygoth/video/3qnum5_0/nine-inch-nails-nine-inch-nails-sin-uncencored-music-vid/

qualidade não mt boa, mas é o que se arranja agora. 

A versão mais curta, de maior qualidade e ainda com as partes "boas" pode ser vista aqui: 

Nine Inch Nails: Sin (Uncensored) (1990) from Nine Inch Nails on Vimeo.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Música como arte

A ouvir "Not What You Want" de Cat Power oiço a minha mãe a criticar a voz "esganiçada" (nas suas próprias palavras) e consequentemente os meus gostos musicais aparentemente duvidosos... 

"At times I fool myself into think I live my life to the fullest..."

E com isto, RIP David Carradine. :(

sábado, 30 de maio de 2009

Descobrir Todd Haynes

Oportunidade perfeita com as suas primeiras duas longas-metragens ("Poison" e "Safe") a 2.89 euros cada. Melhor compra desde o cd de "Vespertine" da Björk a 99 centimos? 

quarta-feira, 27 de maio de 2009

In Terminator mood

A ausência mais notada em "Terminator Salvation" pode ter sido mesmo Brad Fiedel.

Por muito que goste de Danny Elfman, a banda sonora que compôs aqui é facilmente esquecida quando ouvimos temas como este: 

E com isto, apetece-me rapidamente rever os primeiros dois filmes. Heh. 

terça-feira, 26 de maio de 2009

Terminator Salvation


Crítica no sítio do costume

Um dos motivos para ver o filme será de facto o incrivelmente atraente Sam Worthington: 

Esteve para ser Bond, e está prestes a ser ainda mais conhecido do que já é com o seu papel principal no muito antecipado "Avatar" de James Cameron, lá mais para o final do ano. 

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Filme mais antecipado de 2009?


Não é o novo Tarantino, não é o novo Lee, não é o novo Von Trier, e nem é o novo Almodóvar. É "Bright Star", o primeiro filme de Jane Campion em 6 anos (depois do algo subestimado "In the Cut"). Não sei explicar exactamente porquê. Nem venero por aí além "period pieces", embora aprecie mais do que muitos. Não conheço a vida do poeta John Keats tão bem como deveria. E no entanto, há algo aqui que me capta de uma maneira, lá está, inexplicável. A reacção vinda de Cannes ajuda. 

E claro, lembro-me sempre disto sempre que penso em Jane Campion: 

 

domingo, 17 de maio de 2009

Eurovisão - o post-mortem

Chegámos, vimos, e... de certo modo, vencemos. Ficámos em 15º lugar, entre músicas mais ou menos decentes. Aliás, este foi um ano estranhamente melhor em termos de qualidade, se olharmos para os últimos 10 anos ou assim. A começar pela canção vencedora até. 

Mesmo tentando abandonar o nacionalismo, a nossa canção era possivelmente a melhor a concurso (só Estónia e França me pareceram realmente dignas de estar num Festival da Canção, para além dos nossos Flor-de-Lis)

Merecíamos ganhar, sem dúvida. Trazíamos a melhor aposta desde que Lúcia Moniz pisou o palco irlandês em 1996 com um ritmo também ele inerentemente reflector de tradições nacionais - curiosamente ainda o nosso melhor resultado, um honroso 6º lugar.

Talvez se estivessemos ainda em 1996, as coisas seriam diferentes. Agora temos que nos debater não só com umas duas dúzias de países de leste subpartidos que dificilmente nos darão pontos, como até os próprios países da velha guarda (Reino Unido, Irlanda, Alemanha ...) nos ignoram.  Voto do júri? Onde? Vizinhanças. Politiquices. Modas. Same ol', same ol'...

Enfim, resta a certeza que fizémos o nosso melhor. Força Flor-de-Lis. Que se livrem do estigma da Eurovisão e construam uma carreira de sucesso por cá. Ontem senti orgulho de ser português, pelo menos.

 

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Ok. É oficial. Vou ouvir o novo dos U2.

Magnificent

Magnificent indeed. 

Anúncio



Algumas questões se colocam: o que significará Per 11? Será o 11º autocarro do dia desta carreira? Porquê "Per" então? E será de segunda à sexta? Ou fins-de-semana estão incluídos? 

De qualquer das maneiras, 20 euros parecem-me descabidos para que me fássam broxes quando se tem sitios tão fiáveis como o gayengates ou o gaydar... 

P.S. - mais uma vez a associação infeliz entre actos homensexuais e tomar conta de crianças tsc tsc... 

segunda-feira, 11 de maio de 2009

terça-feira, 28 de abril de 2009

Quadrilha

João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.

Carlos Drummond de Andrade

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Pensamento estúpido

Se todos os gays são génios, será que a genialidade serve também como controle populacional? Estará a verdadeira genialidade em vias de extinção? 

terça-feira, 21 de abril de 2009

domingo, 19 de abril de 2009

sábado, 18 de abril de 2009

Divorce Song

"And when I asked for a separate room 
It was late at night, and we'd been driving since noon 
But if I'd known how that would sound to you 
I would have stayed in your bed for the rest of my life 
Just to prove I was right 
That it's harder to be friends than lovers 
And you shouldn't try to mix the two 
'Cause if you do it and you're still unhappy 
Then you know that the problem is you 
And it's true that I stole your lighter 
And it's also true that I lost the map 
But when you said that I wasn't worth talking to 
I had to take your word on that 
But if you'd known how that would sound to me 
You would have taken it back 
And boxed it up and buried it in the ground 
Boxed it up and buried it in the ground 
Boxed it up and buried it in the ground 
Burned it up and thrown it away 
You put in my hands a loaded gun 
And then told me not to fire it 
When you did the things you said were up to me 
And then accused me of trying to fuck it up 
But you've never been a waste of my time 
It's never been a drag 
So take a deep breath and count back from ten 
And maybe you'll be alright 
And the license said you had to stick around until I was dead 
But if you're tired of looking at my face, I guess I already am 
But you've never been a waste of my time 
It's never been a drag 
So take a deep breath and count back from ten
And maybe you'll be alright"

Liz Phair, "Divorce Song" (Exile in Guyville)

(entretanto o álbum teima em não aparecer por cá.... nem mesmo com a re-edição a propósito do 15º aniversário. Sem comentários. )

 

Free Blog Counter